Fratura da mão

O que é

figura 1. fratura mao2As fracturas da mão podem ocorrer em qualquer um dos ossos dos dedos (falanges ou metacarpeanos - Figura 1) ou nos pequenos (mas não menos importantes) ossos do carpo (Figura 2).

Causas

Podem resultar de uma lesão de torção, uma queda, uma lesão por esmagamento, ou traumatismo directo. São com frequência resultantes de acidentes sofridos no exercício da actividade profissional ou na prática desportiva.

Quadro clínico

Habitualmente inclui:

  • Edema
  • Hiperensibilidade
  • Deformidade
  • Incapacidade em mobilizar o dedo
  • Encurtamento do dedo
  • Desvio rotacional com sobreposição digital
  • Depressão na articulação

Diagnóstico

O exame físico é feito para verificar a posição dos dedos e a condição da pele.
Os raios-X são usados para identificar a localização e extensão da fractura.

Tratamento

Tratamento conservador

Na maioria das vezes, a fractura pode ser reduzida de forma adequada por manipulação sem necessidade de cirurgia. Um gesso, tala ou outro tipo de imobilização é aplicado para imobilizar os ossos e manter  a redução.
Um Rx de controlo será provavelmente necessário cerca de uma semana após a imobilização para confirmar a redução da fractura.
A imobilização, dependendo do tipo de fractura e do ossos atingido vai ser usada por três a seis semanas (ou mais no caso de fractura do escafóide). Em muitos casos, exercícios manuais suaves poderão ser iniciados três semanas após a fractura.

Tratamento Cirúrgico

Algumas fracturas da mão necessitam de cirurgia para obter ou manter uma boa redução. Estas fracturas geralmente estão associadas a esfacelos da mão, com lesões da pele ou são o resultado de um acidente de esmagamento. Pode haver necessidade colocar fios, parafusos ou placas no osso fracturado para manter a redução até que a fractura consolide (Figura 3).

fratura mao - figura3fratura mao - figura4.

Se houver perda de redução durante o período de consolidação, o dedo pode perder alguma função.

fratura mao - figura4Depois de a fractura estar consolidada, os implantes utilizados poderão ou não ser removidos.

Rigidez articular é provavelmente a sequela mais frequente (muitas vezes resultante de uma imobilização prolongada), embora a dor persistente e os desvios axiais possam também ocorrer (Figura 4).

Habitualmente o tratamento fisiátrico é importante para uma melhor recuperação funcional.

 

Mais informação em aaos.org


Imprimir   Email