Lesões dos tendões flexores

O que é

Uma ferida na palma dos dedos, mão, punho ou antebraço pode seccionar os tendões flexores (que são as estruturas mais importantes na flexão do punho e dedos da mão). Uma lesão completa dos tendão flexores de um dedo, torna impossível a flexão activa das articulações interfalângicas.

Anomalia

Os tendões são tecidos que fazem a ligação entre os músculos e os ossos. Quando os músculos contraem os tendões transmitem a força exercida aos  ossos, originando o movimento das articulações.
Os músculos responsáveis pelos movimentos de flexão do punho e dedos tem a sua origem na face anterior do antebraço e mão.
Os tendões no dorso da mão tem uma função oposta à dos anteriormente descritos, realizando a extensão  pelo que são chamados tendões extensores.

Quando flectimos ou estendemos os dedos, o tendão desliza através de túneis, chamado bainhas dos tendões, que mantêm os tendões no lugar ao lado dos ossos.
Um tendão flexor lesado no antebraço, no punho, na palma da mão, ou ao longo do dedo vai fazer com que seja impossível dobrar o dedo.

À semelhança de um elástico, os tendões estão sob tensão, pelo que quando sofrem uma secção completa, as suas extremidades permanecem afastadas, o que impede a cicatrização da lesão.
Dada a proximidade das estruturas neurovasculares, estas podem ser também lesadas, aquando da lesão tendinosa. Tal poderá originar uma sensação de adormecimentos ou alteração da sensibilidade, alterações da coloração ou da temperatura do dedo. Em caso de lesão vascular completa de todos os vasos a cirurgia imediata está indicada para que possa ser mantida a viabilidade do dedo.

Causas

Habitualmente feridas incisas ou corto-contusas. Algumas actividades desportivas podem também estar implicadas (rugby, artes marciais ou luta livre por exemplo).

Determinadas doenças (artrite reumatóide, por exemplo) fragilizam os tendões flexores e tornam-nos mais propensos a rasgar.  Isso pode acontecer de forma espontânea num tendão perfeitamente funcionante - uma pessoa pode simplesmente perceber que um dedo deixou de dobrar, mas não se lembrando como tal possa ter acontecido.

Quadro clínico

Os sinais mais comuns de uma lesão no tendão flexor incluem:

  • Uma ferida
  • Incapacidade de dobrar uma ou mais articulações do dedo
  • Dor quando o dedo é dobrado
  • Hipersensibilidade ao longo do dedo
  • Dormência na ponta do dedo
  • É importante consultar um médico sempre que há uma ferida num dedo, principalmente se há limitação importante dos movimentos.

Tratamento

Tratamento inicial

Em caso de ferida  na mão ou nos dedos, aplicar gelo imediatamente. Tentar diminuir a hemorragia enrolando e comprimindo a ferida com um pano limpo. Elevar a mão, e procurar assistência médica o mais rápido possível.
Ponderar administração de vacina contra o tétano ou antibioterapia.

Exame físico 

Avaliar mobilidade activa e passiva
Avaliar capacidade e força de preensão se possível
Avaliar coloração, perfusão digital e ginástica capilar
Testar sensibilidade

Exames complementares de diagnóstico

Poderá justificar-se estudo radiológico para a avaliar existência de lesão óssea.

Tratamento

Habitualmente cirúrgico dada a ausência de contacto entre os topos tendinosos.
O tratamento cirúrgico deverá ser realizado o mais precocemente possível, desde que reunidas as condições para tal (relativas ao paciente, equipa cirúrgica e bloco operatório).

Técnica cirúrgica

Consiste na sutura dos topos tendinosos (tenorrafia) que pode ser realizada por várias técnicas. Após a cirurgia deverão o punho e mão ser imobilizados em flexão para evitar tensão na sutura.
O médico irá aplicar um penso e tala após a cirurgia. Os dedos e punho serão colocados numa posição dobrada para diminuir a tensão da reparação.

Pós operatório

Cerca de dois meses são habitualmente necessários para o  uso da mão sem protecção.
A reabilitação deverá ser iniciada no pós operatório imediato, mediante a realização de exercícios específicos e devidamente orientados.
O tratamento para lesões parciais

São lesões que temos encontrado muito raramente. Estudos recentes apontam para a obtenção de bons resultados com o tratamento conservador, nomeadamente imobilização e programas de reabilitação orientados de forma adequada.

O tratamento conservador apenas deverá ser adoptado após uma avaliação meticulosa da lesão inicial.

Sequelas

As lesões dos tendões flexores são muitas vezes de tratamento difícil, principalmente se associadas a outras lesões, apesar dos progressos no tratamento que se tem verificado.
São sequelas comuns a rigidez articular e consequente perda funcional.
Apesar de todo o empenho colocado no seu tratamento, nem sempre o resultado final obtido é satisfatório para o paciente.

Mais informação em aaos.org